Empresários simpatizantes do presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), querem começar 2019 impulsionando a geração de vagas de trabalho em uma tentativa de estimular a economia no momento em que o novo governo toma posse.

A ideia é criar uma onda de novos empregos já no mês de janeiro, em uma iniciativa que está sendo chamada de “empregue mais um”, organizada pelo movimento Brasil 200.

Da ação fazem parte nomes que apoiaram Bolsonaro. O empresário Gabriel Kanner, que dirige o movimento Brasil 200, porém, afirma que a nova ação para criação de vagas de trabalho não tem laços diretos com a nova gestão.

“Alguns nomes estão próximos do Bolsonaro, mas a campanha não tem nenhuma ligação formal com o governo federal. Isso foi uma iniciativa própria do Brasil 200, visando a recuperação da economia e o bem do país”, disse. 

O Brasil 200 foi lançado em janeiro em um manifesto em Nova York pelo empresário Flavio Rocha, presidente do conselho do grupo da Riachuelo e tio de Gabriel Kanner, que neste ano foi candidato a deputado federal pelo PRB.

Da ação também fazem parte nomes como João Appolinário, da Polishop, e Edgard Corona, das academias de ginástica Bio Ritmo e Smart Fit.

Kanner já contabiliza 300 vagas da Riachuelo em janeiro e 5.000 da Havan, de Luciano Hang, mas vai atualizar o número na segunda-feira (17) em um evento no prédio da Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo).

Flavio Rocha, dono da rede de varejo Riachuelo, foi pré-candidato à Presidência pelo PRB – Folhapress

“Estamos entrando em uma nova era de confiança, ânimo e engajamento do empresariado, e isso tende a impactar positivamente os diversos setores do mercado de trabalho”, diz Appolinário, que pretende empregar 200 em 2019.

Em seu site, o Brasil 200 se define como um grupo que “resolveu tomar o lado do Brasil e não se omitir da construção de uma agenda política que ponha a nação em primeiro lugar”.

De acordo com Kanner, é preciso “dar um voto de confiança e torcer para que o país dê certo”. 

Kanner afirma que grandes companhias criarão um volume maior de vagas, mas o objetivo da campanha é ganhar capilaridade e sensibilizar empresários de menor porte, donos de restaurantes e pequenos comércios.

“O Brasil tem hoje 22 milhões de CNPJs. Estamos estimando que, se tiver 5% de adesão de empresários, já dá 1 milhão de novas vagas”, afirma Kanner.

Ao lado de Kanner, o presidente da Fiesp, Paulo Skaf, vai comandar o lançamento da ação pelo emprego na segunda-feira. Skaf, que também foi candidato nas eleições deste ano, declarou apoio a Bolsonaro desde o primeiro turno.

Procurada, a assessoria da Fiesp disse que não tinha porta-voz para comentar o tema.

estados também foram convidadas a aderir à iniciativa.
As estimativas do grupo para a criação de emprego são ambiciosas se comparadas aos números mais recentes do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados).

Em outubro, o Brasil registrou criação de 57,7 mil vagas de emprego com carteira assinada. O número foi menor do que registrado em setembro, quando houve a criação de 137 mil postos. No mês de agosto, o saldo foi positivo em 110 mil.

De janeiro a outubro, o resultado acumulado das vagas formais ficou positivo em 790,6 mil, o que representa alta de 2,09% ante o mesmo período do ano anterior.

Compartilhe:
  •  
  •  
  •  
  •  

Sorry, comments are closed for this post.