A Folha fez um levantamento do número de auxiliares da campanha de Fernando Haddad que foram delatados em desdobramentos da Lava Jato ou que possuem pendências na Justiça.

Entre eles estão Francisco Macena, escolhido para a função de tesoureiro da campanha e alvo de inquérito da PF por ter financiado a campanha do poste em 2012 com dinheiro do departamento de propinas da Odebrecht.

A senadora Gleisi Hoffmann enfrenta duas denúncias da PGR pendentes de análise na Justiça. Uma delas, de 2017, acusa a cúpula do PT, incluindo Lula e Dilma Rousseff, de formar uma organização criminosa que se beneficiou de pagamentos da Odebrecht e da JBS.

O ex-presidente da Petrobras José Sergio Gabrielli é alvo de ao menos duas ações de improbidade em decorrência de sua atuação na estatal.

Braço direito de Lula, Paulo Okamotto também atua na campanha de Haddad e ainda consta como investigado em um inquérito da Lava Jato sobre o financiamento da empresa de palestras do presidiário. O auxiliar de Lula também foi réu no processo do triplex de Guarujá.

Gilberto Carvalho é réu junto com Lula sob acusação de corrupção passiva por ter aceito promessa de vantagem indevida de R$ 6 milhões para favorecer montadoras em edições de medidas provisórias. (O Antagonista)

Compartilhe:
  •  
  •  
  •  
  •  

Sorry, comments are closed for this post.