Desde que foi preso, apesar de os seus visitantes dizerem o contrário para efeito de propaganda, Lula convivia com três sentimentos: a raiva, o inconformismo e a esperança na libertação rápida e na candidatura a presidente.

A esperança se foi, embora ele saiba que o ministro Dias Toffoli, tão logo assuma a presidência do Supremo Tribunal Federal, tentará dar um jeito para soltá-lo a partir do início do próximo ano. Ou antes, se for possível.

Acentuou-se a inconformidade de Lula. Ele não cansa de repetir que venceria a eleição presidencial direto no primeiro turno.

Continua com raiva, muita raiva. Nem o PT escapa dela. Quase nada escapa. (Ricardo Noblat)

Compartilhe:
  •  
  •  
  •  
  •  

2 Responses to Como vai Lula. Os dias são marcados por ataques de raiva e a espera de que Toffoli o liberte

  1. Esse espírito de porco tem que ficar encarcerado pelo resto da vida. Era bom que jogasse a chave fora.