Cupincha dos piores ditadores, PT acusa governo Bolsonaro de incitar ‘golpe de estado’ na Venezuela

O PT criticou a decisão do governo Jair Bolsonaro (PSL) de não reconhecer o novo mandato do presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, que começa no próximo dia 10 de janeiro, e acusou o Brasil e outros países de incentivarem um golpe de estado no país vizinho.

Em nota assinada pela presidente nacional do PT, Gleisi Hoffmann, e pelos líderes das bancadas no Senado, Lindbergh Farias, e na Câmara, Paulo Pimenta, o partido diz que repudia “a posição subserviente do governo autoritário de Jair Bolsonaro de apoiar a agenda política de Donald Trump em relação à Venezuela, que visa desestabilizar o governo eleito daquele país e acirrar seu conflito interno”.

Na sexta-feira, 4, o governo do Brasil e mais 12 países que compõem o chamado Grupo de Lima decidiram não reconhecer a nova gestão de Maduro – a medida foi reforçada por decisão tomada no dia seguinte pelo Parlamento venezuelano, que declarou “ilegítimo” o novo mandato do chavista. Apenas o México se recusou a aprovar a iniciativa.

Maduro venceu em maio do ano passado as eleições para um novo mandato presidencial (que vai de janeiro deste ano até 2025), mas o processo eleitoral foi boicotado pela oposição e não foi reconhecido por vários países do mundo, entre eles Brasil, Estados Unidos e Espanha.

“A decisão do novo governo brasileiro de apoiar a recente declaração do Grupo de Lima, que não reconhece o mandato do presidente Maduro e incita a realização de um golpe de estado na Venezuela, contraria as mais altas tradições da diplomacia do Brasil, que, atendendo aos princípios constitucionais da não-intervenção e da solução pacífica das controvérsias, sempre apostou no diálogo e na negociação como únicas formas de resolver o conflito interno daquele país-irmão”, diz a nota do PT.

Segundo os petistas, “essa decisão agressiva do governo brasileiro demonstra que o nosso país já não tem mais política externa autônoma, tendo-se alinhado acriticamente, e contra seus próprios interesses, à agenda geopolítica belicista e antilatinoamericana de Donad Trump”. (Veja)

Compartilhe:
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Sorry, comments are closed for this post.