Responsável pelas investigações do atentado a Jair Bolsonaro, o delegado Rodrigo Morais Fernandes chefiou por dois anos a Assessoria de Integração das Inteligências da Secretaria de Defesa Social (Segurança Pública) do governo de Fernando Pimentel.

Há dois anos, virou alvo da imprensa ao ser enviado por Pimentel para assistir ao Super Bowl, na Califórnia (EUA). Na ocasião, o governo alegou que Fernandes coordenava em Minas Gerais a comissão das Olimpíadas Rio-2016.

Morais também foi por alguns meses diretor de Inteligência da Secretaria Extraordinária para Grandes Eventos, criada no governo Dilma. Há três meses, foi condecorado por Pimentel com a Medalha Alferes Tiradentes.

Segundo currículo disponível no site do Ministério da Justiça, Morais entrou para a PF em 2002. Dentre outras funções, foi chefe do Setor de Inteligência da PF em São Paulo e da Delegacia de Repressão a Crimes Contra o Meio Ambiente e Patrimônio Histórico de Minas Gerais.

Hoje é delegado regional de Investigação e Combate ao Crime Organizado da PF em MG.

Formado em Direito pela Faculdade Milton Campos, tem pós-graduação em Direito Público pela Gama Filho e outra pós em Inteligência de Estado e de Segurança Pública pela Universidade Newton Paiva.

Antes da PF, foi advogado da Associação dos Funcionários Fiscais do Estado de Minas Gerais. (O Antagonista)

Compartilhe:
  •  
  •  
  •  
  •  

Sorry, comments are closed for this post.