Antes da Operação Lava Jato quando o esquema de ‘palestras’ do Lula ia de vendo em popa, muitos inocentemente acreditaram que os 52 milhões movimentados para aplacar a ganância do ex-presidente representariam a totalidade dos malfeitos do Chefão. Pouco mais de dois anos depois o Brasil recebe pasmo as sequenciais notícias das propinas recebidas por Lula. O Triplex do Guarujá, o Sítio de Atibaia, com suas reformas milionárias e elevador privativo, que totalizam um valor de mercado superior aos 10 milhões eram apenas a ponta do iceberg.

Branislav Kontic, ex-assessor de Palloci,  revelou recentemente cerca de 17 milhões recebidos pelo Instituto Lula e mais assustadores 13 milhões em dinheiro vivo pagos diretamente ao ex-presidente. E quando o país já anestesiado ao choque dos roubos milionários do Chefão ainda processava a notícia, uma propina vastamente maior foi revelada. Lula teria recebido 40 milhões de dólares (cerca de 120 milhões de reais) para aprovar um financiamento bilionário para Odebrecht. A informação vem do próprio Marcelo Odebrecht, que em depoimento ao juiz Sérgio Moro, contou ter sido procurado em 2009 pelo ministro do planejamento do então presidente Lula, Paulo Bernardo, com a oferta de financiar a construção bilionária em Angola. A narrativa deixa claro o motivo de o Chefão ter se esforçado tanto durante seus dois mandatos para se aproximar de ditaduras e repúblicas de bananas ao redor do mundo.

Contando com os colossais 120 milhões, as movimentações de sua empresa de palestra, do Instituto Lula, e o revelado por Kontic, as propinas do ex-presidente superam muito os 200 milhões de reais. Lula já pode ter quebrado recordo internacional como um dos indivíduos mais corruptos da história registrada. Apesar de Lula já ter deixado a concorrência para trás, esse pode ser apenas o começo, com vários outros negócios escusos ao redor do mundo realizados ao longo de sua presidência, terá o fosso de lama em que habita Lula um fim?

Compartilhe:
  •  
  •  
  •  
  •  

Sorry, comments are closed for this post.