Marina tem como principais e mais polêmicas plataformas de sua campanha plebiscito da liberação do aborto e de drogas. A candidata defende um plebiscito visando um ‘amplo debate na sociedade’ abrindo assim um caminho para a liberação sem comprometer sua campanha com um claro projeto político.

Até essas eleições a liberação das drogas e do aborto foram vistas como tabu, com nenhum político sério defendendo posicionamentos favoráveis ao consumo ou tráfico ou a ampliação das possibilidades de realizar práticas de aborto. Mesmo na esquerda o assunto permanecia até recentemente como proibido, notoriamente a então candidata Dilma se afastou da liberação do aborto, se declarando inequivocamente como sendo contrária. O posicionamento de Marina, porém, mudou esse histórico.

No campo de candidatos ‘sérios’ Marina não está mais sozinha, com ‘inúmeras’  vezes ministro da Fazenda e atual candidato do MDB à Presidência da República, Henrique Meirelles, declarando apoio aos usuários de drogas. “Ninguém deve ser preso por consumo.” Declarou o candidato em sabatina do jornal Estado de S. Paulo. A afirmativa de Meirelles foi mais suave do que a porta para liberação total que Marina quer abrir, mas é uma demonstração forte da mudança de paradigma. Graças em parte a Marina se tornou normal defender usuário de drogas apesar desses serem justamente os financiadores do tráfico.

Compartilhe:
  •  
  •  
  •  
  •  

Sorry, comments are closed for this post.