Veja.com

O ministro da Educação do governo Jair Bolsonaro, Ricardo Vélez Rodríguez, anulou nesta quarta-feira, 9, o edital em que a pasta permitia que livros didáticos comprados para escolas do Ensino Fundamental II (do 6º ao 9º ano) contivessem erros de revisão e não precisassem mais de referências bibliográficas.

O documento valeria para os livros entregues às escolas em 2020 e as mudanças, feitas no Anexo 3 do edital, que trata dos “Critérios para Avaliação das Obras Didáticas”, também descartavam a necessidade de o material retratar a diversidade étnica da população, de abordar o tema sobre não agressão às mulheres e de mencionar povos, como os quilombolas, entre outros tópicos revogados.

Segundo nota divulgada pelo Ministério da Educação (MEC), o edital foi feito ainda no governo do ex-presidente Michel Temer (MDB) e enviado ao Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) em 28 de dezembro de 2018. A decisão de Vélez Rodríguez, diz o comunicado, foi tomada “tendo em vista os erros que foram detectados no documento”.

“O MEC reitera o compromisso com a educação de forma igualitária para toda a população brasileira e desmente qualquer informação de que o Governo Bolsonaro ou o ministro Ricardo Vélez decidiram retirar trechos que tratavam sobre correção de erros nas publicações, violência contra a mulher, publicidade e quilombolas de forma proposital”, afirma a nota do MEC.

Compartilhe:
  •  
  •  
  •  
  •  

Sorry, comments are closed for this post.