Não é exagero prever que a Lava Jato tem potencial para causar um estrago político sem precedentes em 2017, mesmo após um ano marcado por eventos imprevisíveis na investigação mais profunda que o país já viu.

As últimas semanas de 2016 sinalizam o que vem por aí. Enquanto este texto era escrito, dezenas de executivos da Odebrecht prestavam depoimento para corroborar o que informaram no acordo de delação premiada.

Ao todo, 77 funcionários do grupo contam em detalhes como funcionou um engenhoso esquema de corrupção com políticos do governo federal e do Congresso, governadores, e outros tantos nomes já implicados nas conversas preliminares.

Diante disso, um movimento curioso deve ocorrer no próximo ano: o protagonismo do juiz Sergio Moro e de procuradores que atuam em Curitiba tende a dividir as atenções com os capítulos da investigação em Brasília sobre políticos com foro no STF (Supremo Tribunal Federal).

Nas mãos de Moro, porém, segue a expectativa sobre o julgamento em 2017 do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, réu pelos crimes de lavagem de dinheiro e corrupção passiva em razão das relações com a empreiteira OAS. O petista ainda responde por outras duas ações penais.

Uma eventual condenação de Lula abre caminho para a confirmação de pena em segunda instância, hipótese que pode colocá-lo atrás das grades e, ao mesmo tempo, torná-lo inelegível, atrapalhando os planos do PT de tê-lo como candidato em 2018.

Voltamos a Brasília, onde a Procuradoria-Geral da República e o STF terão pela frente o desafio de esquadrinhar o envolvimento de ministros do governo de Michel Temer, senadores e deputados citados pela Odebrecht.

Alguns nomes, como Renan Calheiros (PMDB-AL) e Romero Jucá (PMDB-RR), por exemplo, já são conhecidos dos escaninhos da PGR. Segundo investigadores, são personagens com potencial para ganhar mais alguns inquéritos no currículo.

A expectativa é que o STF homologue a delação da Odebrecht até março. A partir daí, caberá à equipe do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, definir quais dos citados devem ser investigados.

Inevitavelmente, o avanço da operação deve causar impacto no governo de Michel Temer.

Bastou, por exemplo, a divulgação pela imprensa do teor de um dos depoimentos previstos para derrubar o assessor especial da Presidência, José Yunes. Ele foi acusado pelo ex-diretor da empreiteira Cláudio Melo Filho de receber recursos de caixa dois da campanha eleitoral de 2014.

Em menos de um mês, dois dos quatro assessores de confiança de Temer no Planalto caíram: Yunes e Geddel Vieira Lima, abatido pelo escândalo do prédio em Salvador.

Restam o ministro Eliseu Padilha (Casa Civil) e Moreira Franco, secretário do Programa de Parceria de Investimentos.

Ambos estão nas cordas depois de serem mencionados na delação de Melo Filho como operadores financeiros do PMDB no esquema de corrupção. Por ora, continuam no cargo, mas uma eventual queda deles enfraquece e isola Temer, que não consegue dar sinal de fôlego a uma economia em recessão.

Compartilhe:
  •  
  •  
  •  
  •  

One Response to O ano do terremoto. Lava Jato pode causar estrago político sem precedentes em 2017

  1. Tudo isso é verdade, os bandidos estão sendo encurralados, mas…a corja está lançando uma nova “constituição” que já está elaborada, e que com certeza vai colocar o país definitivamente nas mãos da facção criminosa… podemos esperar uma adeus lavajato, a não ser que as forças patrioticas do bem, reajam a tempo… eles maracaram para 01/02/2017 o enterro do Brasil. Reitero, só uma intervenção artigo 142 pode salvar o país !!!