As campanhas de Jair Bolsonaro (PSL) e de Fernando Haddad (PT)passaram a trabalhar com a possibilidade, que ainda consideram remota, de que a eventual disputa entre eles no segundo turno seja antecipada para o primeiro turno.

Com base em números e análises de sondagens eleitorais, eles veem a hipótese de a subida do candidato do PT estimular o voto útil dos eleitores antipetistas em Bolsonaro, esvaziando ainda mais Geraldo Alckmin (PSDB-SP) e alcançando também candidatos considerados nanicos, como João Amoêdo (Novo) e Henrique Meirelles (MDB).

Num segundo momento, os eleitores de centro e de esquerda que acima de tudo rejeitam Bolsonaro poderiam migrar para Haddad para evitar uma vitória do capitão reformado já no primeiro turno.

As rejeições praticamente se equivalem: 49% dos eleitores dizem que não votariam num candidato de Lula (48% admitem dar apoio). Bolsonaro é rejeitado por 44%.

A possibilidade assusta o PT, que imagina que, no segundo turno, teria tempo de formar um arco de alianças para ampliar seu eleitorado. Se tudo se precipitar, o diálogo fica descartado.

Analistas experimentados acham que a possibilidade de Bolsonaro levar no primeiro turno, num acirramento, tornou-se real.

 

Compartilhe:
  •  
  •  
  •  
  •  

Sorry, comments are closed for this post.