O candidato do PT ao Palácio do Planalto, Fernando Haddad, afirmou nesta sexta-feira (28), em visita a Belém, que se vencer a disputa presidencial vai propor a criação de um tributo progressivo a proprietários de terras improdutivas e para desmatadores. “Terras improdutivas” é um recurso retórico da esquerda para sinalizar que vai perseguir o agronegócio e dar mão forte para o MST, que sempre usa o argumento da “terra improdutiva”, para invadir e depredar propriedades privadas. No Brasil não existe mais terra improdutiva. Exceto nos assentamentos do MST.

Segundo o petista, o governo vai aumentar a cada ano o tributo de especuladores de terras e desmatadores até que eles reparem os danos que causaram ao meio ambiente e à sociedade. O presidenciável desembarcou na tarde desta sexta na capital do Pará para cumprir agenda eleitoral. Aos jornalistas, Haddad disse que sua intenção é de pressionar os proprietário de terras a dar uma função social ou ambiental para as propriedades, seja por meio da preservação ou produção de alimentos saudáveis.

“Não vai poder especular mais com a terra com esse mecanismo. Eu estudo sistema tributário há muitos anos e acho uma das propostas mais revolucionárias que eu conheço, você incluir a progressividade no tempo do tributo, induzindo um comportamento que você considera social e ambientalmente sustentável”, ressaltou o candidato do PT.

Haddad também deixou claro que o Brasil não vai poder mais expandir suas fronteiras agrícolas. Ele afirmou que, atualmente, não há mais necessidade de desmatar florestas para produção agrícola. O presidenciável afirmou que, além do tributo progressivo, pretende criar um mecanismo para punir os desmatadores. Caso o dono das terras não cumpra as exigências governamentais, correrá o risco de perder a propriedade.

“Desmatou, terá prazo para reflorestar. Se não reflorestar, vai perder a terra. Aumentou a produtividade, a gente para de cobrar imposto. É preciso criar imposto para reduzir o conflito agrário, tanto de desmatamento quanto de assentamento”, enfatizou.

Compartilhe:
  •  
  •  
  •  
  •  

Sorry, comments are closed for this post.