Dias Toffoli sempre foi um dos ministros do Supremo Tribunal Federal mais questionados por seu histórico. O ex-advogado do PT, apesar de ter reprovado em concurso para juiz foi nomeado para o mais alto cargo da Justiça brasileira com meros 41 anos em 2009 pelo então presidente Lula. A desconfiança com esse histórico desanimador, que já vinha sendo reforçada por algumas das piores performances jurídicas da historia do Tribunal, parece que está prestes a ser definitivamente confirmada. Acaba de vir a público um relatório da Polícia Federal que aponta relação íntima entre investigados e o ministro. Ao obter o celular do ex-ministro da Previdência no governo Dilma, Carlos Gabas, a PF encontrou mensagens que atestam para o comprometimento entre Gabas, Toffoli e outros envolvidos no esquema que desviou 100 milhões do Ministério do Planejamento  e está sendo investigado pela Operação Custo Brasil, uma das filiais da Lava Jato. A descoberta levou os procuradores de São Paulo, responsáveis pelo caso, a pedir o imediato afastamento de Toffoli, que está em posição privilegiada para obstruir a Justiça. O pedido foi encaminhado ao procurador-geral da República, apontado por Dilma, Rodrigo Janot. O caso serve para demostrar como é difícil obter justiça em um país onde a Justiça é tão comprometida.

 

Compartilhe:
  •  
  •  
  •  
  •  

Sorry, comments are closed for this post.